shadow

Investigativo através da Lei de Acesso à Informação revelam que o terreno conhecido como ‘Camboatá’, em Deodoro, subúrbio da Central, local escolhido para construção do novo autódromo do Rio de Janeiro, ainda é um campo minado ativo.

 

Nem mesmo a “operação de descontaminação mecanizada e manual” realizada pelo “1º Batalhão de Engenharia de Combate” (RJ) em 2014 e 2015, quando se realizou a “detecção, varredura, limpeza e neutralização de artefatos” é capaz de assegurar risco zero e total ausência de tais artefatos.

 

Trechos do ‘Relatório Final da Força Tarefa Camboatá’, elaborado pelo ‘1º Batalhão de Engenharia de Combate’ (RJ) e encaminhado ao ‘Comando Militar do Leste’, citam um impressionante número de “167.000 (cento e sessenta e sete mil) artefatos e estilhaços de granadas e explosivos” localizados e neutralizados no ‘imóvel Camboatá’ no período dessa varredura de 2014 e 2015.

 

Mas a grande revelação que pode colocar Lewis Hamilton e a F1 em risco vem em três linhas sem maior destaque em meio ao relatório: em decorrência de limitação do material e da técnica necessária para execução da tarefa, a varredura não foi realizada em todo o terreno.

Documento mostra que varredura no terreno não foi completa (Foto: Reprodução/Agência Sportlight)

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários