shadow
A primeira metade da temporada 2019 da Fórmula 1 vai ficar marcada para muitos pelos desempenhos brilhantes que tiveram Lewis Hamilton e Max Verstappen em boa parte das provas, mas os destaques positivos não param por aí, ainda que os dois sejam, de fato, as grandes estrelas do momento na categoria.

 

 

Após um início duríssimo com três provas sem pontuar, o espanhol encaixou uma belíssima sequência de resultados e encerrou a primeira perna da temporada com dois top-5, algo raríssimo para o time de Woking nos últimos anos. Desde a quarta prova, em Baku, só não pontuou no Canadá, prova em que foi 11º, tendo até um oitavo lugar na Áustria após sair da última fila do grid por punição.

Carlos Sainz vive ótimo 2019 (Foto: McLaren)

Sainz é favoritíssimo a terminar a temporada na sétima colocação, mas pode até ser sexto agora que Gasly foi para a Toro Rosso e caso Alexander Albon não consiga se encaixar com a Red Bull, algo que aconteceu com o francês.

 

Ainda na McLaren, Lando Norris tem chamado a atenção. Bem arrojado e habilidoso, o inglês também é dono de carisma e irreverência impressionantes, formando uma dupla excelente com Sainz dentro e fora das pistas. Novato, mostra uma maturidade bem acima da média.

 

É fato que os resultados de Lando não são tão bons quanto os de Sainz, mas o inglês teve também muito azar na primeira parte do ano. Agora, se a sorte virar, é voltar das férias cada vez mais perto do companheiro e cavar uma vaguinha no top-8 do campeonato.

Lando Norris é ótimo e uma figura (Foto: McLaren)

Outro que merece ser citado entre os destaques do meio do grid é o veterano Kimi Räikkönen. Após anos sem fazer grandes coisas na Ferrari, o finlandês parecia pronto para um ano melancólico e um consequente fim de carreira, mas tem se mostrado bastante eficiente.

 

É bem verdade que não há muito brilhantismo nas atuações de Kimi em 2019, mas estar em oitavo com esse carro da Alfa Romeo é algo que deve ser valorizado. O confronto direto com Antonio Giovinazzi é surreal: só terminou atrás do companheiro em uma prova e tem 31 pontos a 1. Um baile.

 

George Russell é o único piloto que ainda não pontuou na temporada, mas isso tem a ver com uma falta de sorte ímpar. O inglês foi melhor que o colega Robert Kubica em todas as corridas menos duas, mas foi justamente uma delas, o GP da Alemanha, em que um monte de gente abandonou e o polonês foi décimo após as punições das Alfa Romeo.

George Russell: muito promissor (Foto: Williams)

Russell tem corrido sozinho, longe de Kubica, mas na Hungria já mostrou que a Williams ficou menos horrorosa, batendo Lance Stroll e Giovinazzi na classificação e também na corrida. Está quase em uma ‘F1 C’ e por isso não tem o destaque dos citados nos parágrafos acima, mas merece uma espécie de faixa bônus, sim.

 

Albon estaria na lista também pelas grandes performances que teve, mas agora virou um caso especial, já que migra para a ‘F1 A’ na vaga de Gasly na Red Bull. Seu antigo companheiro, Daniil Kvyat, merece uma notinha pelo pódio meio no susto na Alemanha, mas não tem sido exatamente um destaque corriqueiro do meio do grid.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários