shadow
A temporada 2019 da Fórmula 1 tem no crescimento de Max Verstappen uma das suas histórias mais impressionantes. E a impressão do chefe Christian Horner é a mesma que a do público geral: o holandês amadureceu no atual campeonato. Segundo ele, a compreensão de toda a situação em volta da briga pela vitória na Hungria mostrou que esse é o caso.

 

Horner destacou que, ainda que numa ocasião de bastante frustração, Verstappen entendeu que não houve fala da equipe e que a Mercedes simplesmente contava com um carro mais rápido naquele momento. Verstappen mais uma vez conquistou o máximo de pontos possível. 

 

“Ele tem guiado com enorme maturidade. Mesmo no fim das corridas, perder uma prova com quatro voltas para o fim é muito frustrante, mas acredito que ele entende o panorama completo. Sabe a situação em que estamos e como a corrida está sendo lida, porque os leigos podem achar que nós erramos na estratégia, mas nós não erramos”, disse em entrevista ao site oficial da F1.

Max Verstappen e Lewis Hamilton (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

“A Mercedes simplesmente tinha o carro mais rápido e a oportunidade de fazer o pit-stop aberta para eles. [Max] teve a maturidade de entender qual era a situação. Acho que ele realmente amadureceu neste ano”, seguiu.

 

Ainda que Verstappen tenha vencido duas e ido a três pódios nas últimas quatro provas – e ficado no top-5 em todas as etapas disputadas até aqui -, Horner não acredita em briga pelo título. A não ser, claro, que Hamilton não dispute várias corridas daqui até o fim do campeonato.

 

“A F1 tem que dar graças a Deus pela Red Bull e Max Verstappen no momento! É ótimo ter corridas como a do último domingo, ainda que não tenhamos vencido é ótimo para os fãs. As últimas quatro corridas foram ótimas. Espero que, com as pistas que estão vindo aí, essa sequência continue. Se Max puder continuar encarando Lewis e as Ferrari o futuro será brilhante”, falou.

 

“Lewis está 70 [69, na verdade] pontos à frente, vantagem de quase três corridas com nove pela frente. Então, basicamente Lewis teria que não aparecer para três corridas. Talvez se a tosse dele voltar ou problemas no pé, só alguma coisa muito improvável. Teria que acontecer alguma coisa de proporções catastróficas para que ele não ganhe o campeonato”, avaliou. 

 

A meta é preparar a casa, junto da Honda, para desafiar a Mercedes em 2020.

 

“Mas nossa meta para o resto do ano é diminuir a desvantagem em corridas como a Hungria e espero que algumas provas se voltem em nossa direção como foi na Alemanha. Conforme tirarmos mais desempenho do carro – e a Honda faz progresso – esse se torna um ano de construção para 2020”, finalizou.

 

A F1 agora volta apenas no dia 1º de setembro.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários