shadow

Após uma sequência de temporadas em que tinha o carro mais forte do pelotão intermediário, Sergio Pérez e a Racing Point – ex-Force India – chegam ao fim de 2019 com menos motivos para comemorar. O piloto mexicano reconheceu que esperava menos do carro nesta temporada, mas mesmo assim a jornada na Fórmula 1 ficou abaixo do esperado.

 

Durante entrevista na qual o GRANDE PRÊMIO esteve presente em Interlagos, Pérez fez elogios ao time anglo-canadense, contudo não evitou afirmar que as expectativas originais não foram alcançadas.

 

“Não acredito que tenhamos alcançado o que a gente queria nesse ano. Tem sido uma temporada decepcionante de certa forma. Sabíamos que não seria ótimo, uma vez que estamos apenas no começo [da equipe], mas esperávamos ser mais competitivos nesse momento da temporada. Acredito que a segunda parte da temporada está melhor, somos mais fortes e em diferentes circuitos, o que sempre é positivo”, afirmou. 

Sergio Pérez (Foto: Racing Point)

“Acredito que a McLaren, no pelotão intermediário, tem sido muito consistente, forte, mas acredito que estamos na briga com todas as outras equipes. Marcamos bons pontos desde o recesso, então creio que tem muita coisa positiva para tirar, mas o panorama geral é que não estamos onde nós queríamos”, seguiu.

 

Um dos grandes problemas da Racing Point de 2019 é o ritmo de classificação, que dificilmente permite um avanço grande aos sábados. O fato de ter que ganhar muitas posições durante as corridas influi bastante. A sorte é que a equipe tem sido, segundo ele, esperta.

 

“É, compromete. Não temos bom ritmo de classificação, mas quando chega a corrida parecemos estar no lado mais forte [do grid] – as boas estratégias da equipe ajudam. Acredito que temos sido impressionantes neste sentido, sobretudo nas duas últimas corridas, sendo mais espertos que as outras equipes por meio da estratégia e com tudo que é possível”, falou. 

 

“Espero que continuemos assim. Ainda temos amanhã e muito mais para disputar: estamos em grande batalha com a Toro Rosso no Mundial de Construtores. Espero que possamos terminar à frente”, afirmou.

 

A Racing Point atualmente tem 65 pontos e ocupa o sexto lugar do Mundial de Construtores. Em sétimo, a Toro Rosso te um ponto a menos. Já a Renault tem 83 pontos e é a quarta colocada. É possível alcançar?

 

“Ainda não acabou, então vamos dar nosso máximo”, finalizou.

GRANDE PRÊMIO cobre in loco o GP do Brasil com os jornalistas Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Flavio Gomes, Gabriel Carvalho, Gabriel Curty e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe todo o noticiário aqui e tudo dos bastidores e das atividades em pista AO VIVO e em TEMPO REAL.

 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários