shadow
Chegamos a um momento da temporada 2019 da Indy em que Josef Newgarden tem um de seus piores dias, se classifica em 13º para uma corrida e, mesmo assim, tem toda cara de campeão. Como? Melhor perguntar para Alexander Rossi e Simon Pagenaud pelo que os dois não fizeram na definição do grid em Portland.

 

De forma completamente inesperada, Newgarden foi muito mal na classificação. Logo no primeiro grupo, que nem parecia tão forte assim, cometeu um erro na volta rápida e foi o suficiente para sequer avançar à segunda fase. Vai largar em 13º, sua segunda pior posição de largada no ano. Péssimo sinal, né? Péssima hora para errar assim, hein? Pois é, mas o estrago foi bem pequeno.

 

“Sabia que seria duro. Você não pode cometer um erro e eu cometi alguns. Passei em cima da zebra na saída da curva 7 e perdi um décimo em uma volta, depois perdi um décimo na última curva na outra. Eu sabia que seria apertado, e você não pode perder décimos. Isso é Portland, foi assim no ano passado. Sabia que seria a mesma coisa neste ano, mas nosso carro é bom. Foi rápido o fim de semana inteiro e fizeram um grande trabalho. Só temos de dar duro”, disse Newgarden.

Josef Newgarden não foi bem na classificação (Foto: IndyCar)

Por mais que tenha feito tudo que não podia, Josef ainda teve uma certa sorte de campeão, se é que podemos chamar assim. Errou, caiu cedo, vai largar no meio do pelotão, mas seus principais rivais não foram tão melhores – ou até bem pior, no caso de Pagenaud.

 

O francês foi o grande perdedor do dia. Minutos depois de ver o companheiro e rival errar feio, Pagenaud fez igual, ou melhor, fez ainda pior. Ficou em nono em seu grupo, voltou aos momentos em que sequer passava de fase nas classificações e teve um sábado que reflete boa parte de seu ano: muito ruim.

 

“Simplesmente não temos velocidade. Tivemos problema com velocidade hoje. É tudo sobre fazer tudo certo na volta, e achei muito difícil. Uma pena. Você não quer estar aqui, mas é assim que acontece. Você tem que lutar e brigar na corrida. Temos um bom carro para longos stints, uma equipe fantástica nos pit-stops e um grande estrategista. Tudo pode acontecer, você viu no ano passado. Temos que lutar”, comentou Simon.

Simon Pagenaud foi pior que Josef Newgarden (Foto: Indycar)

E são dias como o de hoje, que são exceções para Newgarden, mas constantes para Pagenaud que tornam difícil entender como o francês é vice-líder, ainda com boas chances de título. Precisa fazer absolutamente tudo diferente na corrida para seguir firme na luta.

 

E Alexander Rossi, hein? O americano é bom, muito bom, faz um ano bem legal, mas entrou numa fase ruim na pior hora. Pocono e Gateway foram etapas quase zeradas para ele e, em Portland, com a faca e o queijo na mão para grudar em Newgarden, não foi ao Fast Six.

 

“Fizemos mudanças antes da segunda sessão. Não teríamos feito estas mudanças se não pensássemos que era o melhor para nos colocar no Fast Six. Acho que não passar é uma indicação do quão equilibrada é a Indy e você tem que dar o seu melhor em toda sessão. Perdemos, mas vamos nos recompor hoje e melhorar o carro, falou Alex.

Colton Herta e Alexander Rossi não disputam a mesma coisa, mas são peças fundamentais em Portland (Foto: Indycar)

Está certo que Rossi tem histórico de crescer nas corridas, que foi bem melhor que Pagenaud, mas vai precisar ser arrojadíssimo para ganhar terreno e, quem sabe, levar o triunfo em Portland. É hora de ir para o tudo ou nada.

 

Tudo ou nada precisa ser também a tônica de Scott Dixon, o único dos postulantes ao título que foi verdadeiramente bem na classificação. Mas é aquilo: com a distância de Scott para Newgarden, precisará de mais do que um terceiro lugar na corrida se quiser ter chances em Laguna Seca de buscar o hexa.

 

“Sinceramente, o maior problema foi trocar os pneus e fazer os ajustes. Quase saímos na segunda parte da sessão. Tivemos problemas para controlar o carro. É claro, temos um bom lugar no grid e o top-3 do campeonato não está com nós, temos que fazer o melhor para tirar o máximo de pontos que podemos na corrida”, explicou Scott.

 

Quem pode acabar virando uma arma para Newgarden encaminhar o bicampeonato é Colton Herta. Em mais uma grande atuação, o novato fez a pole e, se repetir o que aconteceu em Austin e vencer, vai limpar bons pontos do caminho, daria uma força imensa para Josef, que está na retranca, usando uma expressão do futebol.

 

“Estou muito feliz. Deixamos tudo certo até o fim, então todos estavam tensos e acho que deixei mais tranquilo. Antes de saber que tinha feito a pole, ouvi todos comemorando no rádio, então, descobrir isso foi bem legal. Isso é ótimo. Temos um ótimo ritmo, então acho que podemos vencer”, afirmou Colton.

Tony Kanaan se aproximou do ritmo dos rivais (Foto: Indycar)

Na Foyt, não dá para dizer que foi um dia de novidades pelas posições finais, mas Tony Kanaan e Matheus Leist estiveram em ritmo muito próximo de quem avançou no grupo. No fim, largam em 19º e 21º, respectivamente.

 

“É um pouco amargo porque quando você olha na tabela, ficamos um 0s15 abaixo do top-12, isso é o mais próximo que ficamos no ano. Melhoramos o carro bastante, mas isso é só um pouco. Estou feliz porque o time fez tudo certo. Tivemos uma classificação certa, com os pneus certos. Estávamos mais rápidos que a manhã, então foi um passo na direção certa. Estou animado. Eu acho que estamos em grande momento, todos animados por Gateway e estou animado para amanhã”, disse Tony.

 

“O treino livre 3 foi decente e nos deu uma direção e coisas para pensar. Na classificação, meu ritmo com o pneu preto estava bom, mas não tive um stint bom com os vermelhos e foi isso. Vamos trabalhar na configuração do carro com os vermelhos para amanhã e vemos se podemos ter uma boa corrida”, comentou Matheus.

 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários