shadow
Mario Andretti tem história no automobilismo: é dele a marca de primeiro a conquistar a Fórmula 1 (1978) e a Indy (tetracampeão). Mas, nesta terça-feira (24), se celebra a data em que ele foi igualado.

É que há exatos 30 anos Emerson Fittipaldi se tornava o segundo piloto na história a ser campeão das duas mais famosas categorias de monopostos do mundo. Foi na penúltima etapa daquela temporada, em Nazareth, que o brasileiro garantiu sua conquista.

É importante lembrar, também, que o desenho para tal conquista começou a ser traçado em maio daquele ano – claro, falamos aqui da vitória nas 500 Milhas de Indianápolis. Fittipaldi, então com 43 anos, já bicampeão da F1 e em seu sexto ano de Indy, venceu a prova no dia 25 escapando ileso de um toque com Al Unser Jr

Foi a primeira vitória na Indy 500, mas não a inaugural na categoria. Em 1984, venceu em Michigan; no ano seguinte, em Elkhart Lake; em 1987, tanto em Cleveland como em Toronto; e, em 1988, mais duas: Mid-Ohio e novamente em Elkhart Lake.

Emerson Fittipaldi levou a Indy em 1989 (Foto: IndyCar)

Vencedor ele já era, faltava o título. Antes do triunfo na Indy 500, Fittipaldi era o segundo na classificação, atrás de Rick Mears, que havia levado a abertura da temporada, em Phoenix (o brasileiro foi quinto), e sido quinto em Long Beach (Fittipaldi ficou em terceiro). A batalha contra Mears iria até o final do ano.

O americano ficaria 14 vezes no top-10, contra 1 de Fittipaldi. O problema do brasileiro foram as más colocações em Milwaukee (16°), Michigan (14°) e Pocono (19°) – uma prova dessas em que fosse melhor e o título sairia com ainda mais antecedência do que uma corrida. Mas Fittipaldi venceu mais, cinco vezes, do que o rival (duas), além de ter ido mais ao pódio (8 x 6).

Eles chegaram a Nazareth separados por 18 pontos: 165 a 147 para o brasileiro. O vencedor levava 20 pontos, o segundo 16 – ou seja, uma vitória seria suficiente para Fittipaldi, já que abririr 22 pontos e, nos critérios de desempate, levaria o título mesmo que zerasse na etapa final e Mears vencesse.

Foi isso que aconteceu: Mears saiu na pole, com 174.672 milhas por hora, ou 281 km/h. Fittipaldi garantiu o segundo lugar no grid, 4 milhas por hora abaixo. Tais posições não duraram muito: na largada, inversão.

Por 18 voltas tudo seguiu assim, já que uma bandeira amarela surgiu por acidente que tirou quatro pilotos das 200 Milhas. Na volta, a batalha na pista começou: Mears e Fittipaldi se distanciaram do pelotão, com o americano forçando uma tentativa de ultrapassagem quando o brasileiro teve dificuldades para passar um retardatário. Não conseguiu.

Mears só passou Fittipaldi na volta 80, quando este foi aos boxes. Tal troca durou 13 voltas, com o brasileiro recuperando a ponta no giro 93. Já no 125, Danny Sullivan assumiu a liderança por usar estratégia diferentes dos candidatos ao título – que parariam uma vez mais. A primeira destas veio na volta 186, com Mears: ele deixou os boxes mais rápido do que deveria, arrancou a mangueira de combustível e teve que retornar para arrumar o estrago.

Não deu; Fittipaldi e sua equipe tiveram parada perfeita e reassumiram a liderança. A Patrick Racing bateu a Penske e Fittipaldi segurou as 10 voltas finais para o título.

Em Laguna Seca, Fittipaldi foi quinto e a vitória de Mears de nada valeu. Fittipaldi conquistou a taça com 196 pontos, 10 a mais que o rival. Ele ainda ficaria na categoria por mais sete anos, sendo vice em 1993 e 1994 com a Penske. 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários