shadow
Após o desastre que foi o GP da Inglaterra, a Haas decidiu que vai repetir na Alemanha a tática de dar acertos totalmente diferentes para os carros de Kevin Magnussen e Romain Grosjean. O dinamarquês fica com o pacote atual do V.F.19, atualizado substancialmente no GP da Espanha em diante, enquanto o francês vai se virar com o ajuste da abertura da temporada, na Austrália. 

 

A medida foi tomada para que a Haas tente compreender o que está acontecendo com o carro, que começou o ano na briga para ser quarta força do grid e agora se vê andando atrás da Williams em alguns momentos. O objetivo era tirar conclusões em Silverstone, mas problemas por todo o fim de semana e abandono logo nas primeiras voltas após Grosjean e Magnussen baterem um no outro atrapalhou os planos. 

 

Chefe da Haas, Guenther Steiner que as mudanças introduzidas para este fim de semana de Honckenheim têm como objetivo aumentar o downforce e a dirigibilidade do carro. 

Romain Grosjean (Foto: Pirelli)

“Decidimos fazer exercício para conseguir mais informações nos dois carros. Tende a nos ajudar a entender melhor a diferença, boa ou ruim [entre os pacotes], para vermos o que podemos melhorar. Não estávamos certos de que a atualização que estreamos em Barcelona estava boa”, disse.

 

“Vamos fazer isso de novo em Hockenheim, que é um tipo diferente de pista, com outras temperaturas – serão bem mais altas – e, como todos sabemos, não deu para tirar muitas informações da corrida de Silverstone em nenhum dos carros. Mudamos algumas partes no carro do Magnussen. Não há uma área específica que estamos almejando. Estamos fazendo o carro, em geral, melhor e aumentar a dirigibilidade, com mais downforce, que sempre te ajuda a andar rápido”, seguiu.

 

“Estamos tentando fazer com que os pneus funcionem melhor para nós. É a maior melhora que podemos fazer nesse momento – entender a janela de funcionamento do pneu. E tem muito a ver com o downforce”, falou.

 

Grosjean, que não marca pontos desde o GP de Mônaco – só tem dois na temporada -, deixou claro que quis andar com o pacote que abriu a temporada.

 

“Quando trouxemos as atualizações em Barcelona, eu queria voltar para o carro antigo já na sexta à noite. Para mim, a sensação na traseira não era boa, especialmente nas curvas de média e alta velocidade. A sensação não é boa nessas curvas desde então”, contou.

 

“Voltar ao pacote de Melbourne fez o carro ficar bem melhor nesses aspectos. Mostra que algo não estava funcionando como esperado. Agora os caras da aerodinâmica estão obviamente avaliando, mas sabemos que tem sido nossa fraqueza. Claro que o pacote inicial tem limitações também, mas a estabilidade é melhor”, finalizou.

 

A Haas marcou apenas 16 tentos no campeonato e está em nono lugar no Mundial de Construtores.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários