shadow
A Ferrari favoreceu Sebastian Vettel para deixar que o tetracampeão levasse a melhor contra Charles Leclerc e vencesse o GP de Singapura de 2019. Não se trata de uma afirmação descabida, mas de uma confirmação da própria Ferrari meses após o incidente. De acordo com o chefe Mattia Binotto, a decisão correta para ajudar na recuperação da confiança de Vettel.

 

O que aconteceu em Singapura foi que Vettel caminhava em terceiro, atrás de Leclerc e de Lewis Hamilton, mas o alemão foi chamado primeiro aos boxes, parou e acabou fazendo o chamado undercut – ultrapassagem sem confronto na pista, apenas pelo trabalho na parada. Com Vettel na frente, a Ferrari permitiu que o piloto pegasse o espaço vazio à frente e abrisse espaço. Leclerc ficou para trás e terminou brigando com Max Verstappen pelo segundo posto.

 

Segundo Binotto, foi fundamental para passar confiança a Vettel após um começo difícil. Ainda chamou o campeão de “piloto-chave” e “central para nosso projeto”.

 

“Ele ficou desconfortável com o carro desde o começo da temporada, certamente com a instabilidade dos freios. Acredito que o desafio [de Leclerc] para ele foi bom, porque ter um companheiro tão rápido dá algumas dores de cabeça. Para melhorar, ele é sempre muito analítico. Aborda o exercício, não é emocional neste sentido, avalia as informações, compara os setores sempre buscando onde foi melhor ou pior”, contou.

O pódio do GP de Singapura (Foto: Ferrari)

“Na primeira parte da temporada, foi colocado sob muita pressão não apenas pela vitória, mas pela confiança na equipe. Sabia que poderia contar com a equipe se necessário fosse. Então acho que foi correto dar a ele a chance de vencer”, opinou.

 

Conforme a Ferrari melhorou as características do carro para fazer curvas, na segunda metade do campeonato, os resultados passaram a melhorar e Vettel, segundo o chefe, também cresceu de produção. Antes das férias, a posição média de largada para Seb foi de 3.7, mas passou para 2.5 depois. 

 

“Quando ele passou a ter muita confiança no carro, creio que foi muito rápido. Se você olhar para o ritmo de corrida, foi muito similar ao de Charles, que foi mais rápido, aí, sim, na classificação. Então eu diria parabéns a ele pela segunda parte da temporada – parabéns pela forma que reagiu depois de uma primeira parte que não foi simples”, finalizou.

 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários