shadow

Maverick Viñales afirmou que prefere ter encerrado sua participação no GP da Austrália com uma queda do que com o segundo lugar. O #12 caiu na volta final tentando retomar a ponta de Marc Márquez.

 

Dominante no fim de semana da MotoGP em Phillip Island, Maverick cravou a pole na classificação de domingo, liderou parte da corrida, mas perdeu a ponta para Márquez na abertura da última volta. O #12, então, tentou se valer da velocidade da YZR-M1 no terceiro setor de Phillips Island, mas acabou caindo e não completou a corrida.

 

Apesar do desfecho, Viñales não lamentou, já que não queria se dar por satisfeito com segundo lugar.

Marc Márquez e Maverick Viñales (Foto: Red Bull)

“Eu estava lutando pela vitória e não ia ficar com o segundo lugar”, disse Viñales. “Eu tentei ultrapassá-lo e quando diminuí a inclinação e reduzi, eu travei a traseira”, relatou. “Foi minha culpa, não há duvidas disso. Eu sabia que Marc estava esperando pela última volta para me passar”, seguiu.

 

“Eu comecei a última volta muito mais próximo da zebra, para dizer ‘ok, talvez eu tenha uma chance se ele ultrapassar no último momento, posso frear mais tarde’. Mas ele me ultrapassou antes da linha de chegada”, recordou. “Eu tinha outro plano. Estava planejando forçar ao máximo no terceiro setor e ultrapassar na curva dez, e foi isso que eu fiz”, explicou.

 

“Já antes da queda eu planejei entrar sem os freios e ver o que acontecia, mas eu travei a traseira”, relatou. “Eu sabia que ele me ultrapassaria lá [na reta], mas eu tinha preparado o terceiro setor muito bem para ver o que aconteceria. Prefiro terminar no chão do que em segundo”, disparou.

 

Apesar de ter terminado um fim de semana em que dominou sem pontuar, Viñales fez uma avaliação positiva do trabalho em Phillip Island.

 

“Para mim, foi uma corrida muito positiva. Eu caí, mas estava satisfeito”, comentou. “Dei o meu melhor em todas as voltas. O que posso dizer? A moto, com certeza, tem de melhorar, mas ela estava funcionando de uma maneira realmente boa”, insistiu. “Mas vou seguir trabalhando. Eu preciso entender a maneira de lutar com a Yamaha, então, se eu caí desta vez, talvez da próxima eu possa atacar. Vamos ver. Hoje foi importante”, insistiu.

 

“Eu estou bem feliz, porque eu mantive um bom ritmo. Talvez só Marc fosse melhor do que nós, mas o resto estava 11 ou 12s atrás”, encerrou.

 


 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários