shadow


“Um fim de semana memorável”. Assim Gaetano di Mauro descreve o que foram os últimos dias em Genk, na Bélgica. O paulista de 20 anos foi o único brasileiro inscrito para a disputa do Mundial de Kart CIK-FIA pela classe KZ2, destinado aos karts com marcha. Tetracampeão brasileiro na classe Shifter, o membro da Academia Shell Racing fez bonito na sua primeira participação no Mundial junto à elite do kartismo no planeta. Entre os 105 inscritos, dos quais 34 avançaram para a final, Di Mauro terminou em quarto lugar e festejou muito o resultado diante de todas as condições que teve de lidar ao longo da competição.


 

Depois de ter ficado em sexto colocado após a disputa das baterias eliminatórias entre sábado e domingo pela manhã, Di Mauro optou por guardar um jogo de pneus totalmente novo para a grande finalíssima, disputado também neste domingo (9), no período da tarde. Ainda na primeira volta, Gaetano superou o holandês Max Tubben para ficar em quinto lugar e, em seguida, superou Emil Skaras, da Suécia, para subir para a quarta posição.


Gaetano di Mauro brilhou no Mundial de Kart da classe KZ2 em Genk, na Bélgica (Foto: CRG)

A batalha a seguir foi com o francês Adrien Renaudin, simplesmente o atual campeão europeu. Ao longo de quase 20 voltas, o brasileiro buscou a ultrapassagem até conseguir subir para segundo na penúltima passagem. No entanto, David Vidales, experientíssimo kartista espanhol, conseguiu passar os dois na sequência.


 


Até a bandeirada final, Gaetano lutou e conseguiu salvar o quarto lugar para ser o melhor piloto de fábrica da equipe CRG, uma das marcas mais importantes do kartismo mundial, além de ser o melhor colocado das Américas no Mundial.


 


Restou a Di Mauro apenas festejar muito a conquista na Bélgica. “Estou muito feliz com o resultado e o desempenho ao longo do fim de semana todo. Correndo contra especialistas que se dedicam o ano todo ao kartismo, consegui fazer um bom papel. O quarto lugar entre 105 pilotos é sensacional. Não pude treinar antes e cheguei direto para o Mundial. Não conhecia direito os pneus e tive de me adaptar ao longo do campeonato”, salientou.


 


O resultado obtido por Gaetano é mais um grande êxito da Academia Shell Racing no Mundial de Kart. Gianluca Petecof disputou pela primeira vez o Mundial em 2016 no Bahrein e terminou em quinto lugar. Na Inglaterra, no ano passado, o paulista, então com 14 anos, finalizou em sexto na categoria OK, sendo o mais jovem dentre todos os kartistas do grid.


 


“Agradeço à Shell por proporcionar essa oportunidade, o que me deixa mais motivado para o restante do ano no Brasil”, comemorou Gaetano, que ressaltou as dificuldades na fase final para garantir o resultado.


 


“Na final, percebi que não tinha muita arrancada para conseguir um ataque definitivo sobre o Renaudin, e a tática foi forçar nas curvas em que eu sabia que era mais rápido para ele destruir os pneus. Isso realmente aconteceu, até que, faltando duas voltas, tentei a ultrapassagem. Ele ficou por fora e acabamos indo para a grama. Nisso, o espanhol nos passou”, contou.


 


“O pódio esteve perto, mas não tenho do que reclamar. Considerando tudo o que aconteceu, foi um fim de semana memorável”, finalizou o quarto melhor kartista do planeta na classe KZ2.


 


Agora Gaetano embarca de volta para o Brasil para acelerar já neste fim de semana para a disputa da etapa do Velo Città da Porsche Carrera Cup 3.8, categoria da qual o piloto da Academia Shell Racing ocupa a vice-liderança na classificação geral.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários

Posts Relacionados