shadow

Apesar de ser o grande responsável por Fernando Alonso desbravar novos horizontes na carreira, Zak Brown garante que a grande prioridade do espanhol é a McLaren e a F1. A respeito da presença do piloto no Mundial de Le Mans, o executivo norte-americano é claro ao dizer que “Fernando está restrito a pilotar pela Toyota”, minimizando os eventuais compromissos com patrocinadores da marca japonesa

A presença de Fernando Alonso em corridas fora da F1 — primeiro nas 500 Milhas de Indianápolis, no ano passado; e depois a incursão no Endurance com as 24h de Daytona, e o WEC em 2018 com a Toyota — só foi possível graças a um nome: Zak Brown. O dirigente norte-americano, contratado pela McLaren para ocupar o lugar de Ron Dennis, fez o que jamais seu antecessor faria e liberou seu principal piloto para ampliar novos horizontes na carreira. Mas, ainda que seja um grande entusiasta da iniciativa do espanhol, Brown deixa claro que Alonso, “em primeiro lugar, é piloto da McLaren”. O dirigente explicou que Fernando vai correr pela Toyota no Mundial de Endurance emprestado pela McLaren.


 


Em entrevista coletiva concedida a vários veículos de comunicação em Woking, na sede da McLaren na Inglaterra, Brown afirmou que “Alonso está restrito a pilotar o Toyota de corridas. Quanto às aparições comerciais, compromissos com patrocinadores e coisas de tal natureza, isso vai ser muito minimizado”.


 

O diretor-executivo da McLaren explicou também como vai ser a ligação de Alonso no Mundial de Endurance. “A relação com a Toyota é um empréstimo. Chegamos a um acordo com eles, e isso lhe permite competir no carro, mas não viajar ao redor do mundo para cumprir compromissos comerciais. Trata-se de minimizar sua jornada para evitar qualquer possível conflito entre patrocinadores. A Toyota não tem muitos, portanto não há muitos que possam estar em conflito com a McLaren”.


Zak Brown assegura que, antes de qualquer coisa, Fernando Alonso é piloto da McLaren. E da F1 (Foto: McLaren)


Assim como compromissos comerciais, Zak Brown explicou que Alonso não pode vestir roupas de patrocinadores da Toyota que conflitem comercialmente com os da McLaren. “Não poderíamos ter Alonso caminhando com uma indumentária de um patrocinador concorrente. Além disso, antes de mais nada, ele é um piloto da McLaren e da F1. Quando se pensa em Fernando, primeiro se pensa nele como piloto da McLaren na F1”, salientou.


 


O plano inicial traçado pela Toyota para Alonso era a sua participação em quatro provas do Mundial de Endurance, incluindo aí seu principal objetivo, as 24h de Le Mans. Mas a mudança de datas promovida pelo WEC, que antecipou as 6h de Fuji de 21 para 14 de outubro, vai permitir a Fernando fazer todo o ano de 2018 pela Toyota.


 

Brown, no entanto, discorda quando se diz que a jornada intensa de 26 corridas para Alonso no ano — sendo uma, as 24h de Daytona, já disputada — possa prejudicar a McLaren. “Não há muito o que fazer. Ele estaria num kart ou jogando golfe ou o que ele quiser fazer [no seu tempo livre]. A mudança é que ele vai estar num carro da Toyota. Ele quer passar mais seu tempo livre em um carro de corridas”, ponderou o norte-americano, que brincou.


 

“Ele sabe no que está se metendo. Ele está incrivelmente preparado. Fez as 24h de Daytona e logo fez um teste de simulação com a Toyota. Acho que é um atleta muito especial. Não acho que ele faria assim se ele não acreditasse que pudesse fazê-lo no mais alto nível”, complementou Brown, minimizando qualquer preocupação sobre um eventual cansaço de Alonso ao longo da temporada 2018 na F1 e no WEC.

Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários

Posts Relacionados