shadow

Felipe Massa anunciou sua aposentadoria da F1. Em 2018, então, a categoria não terá nenhum brasileiro no grid após 48 anos. Parte disso se dá por conta da má formação de pilotos no país, e segundo o próprio competidor, atualmente nada prepara a futura geração

Felipe Massa anunciou, agora em definitivo, sua aposentadoria da F1. Após 48 anos, a categoria não terá nenhum representante do país a partir da temporada 2018. O anúncio, além de deixar uma lacuna do Brasil no certame, evidenciou a problemática formação de pilotos em terras tupiniquins.
 


Massa reconheceu essa questão. Em entrevista ao GRANDE PRÊMIO, ao ser questionado se o Brasil sofre uma deficiência na formação de suas futuras gerações, Felipe foi direto em sua resposta. “Por enquanto sim, tomara que em pouco tempo não”.

“Tomara que a gente ache um piloto que siga o caminho que eu tive, como o que o Rubinho [Barrichello] teve, que outros pilotos brasileiros tiveram com sucesso até agora, e tomara que a gente continue tendo. Espero que no futuro próximo”, comentou.


Felipe Massa acredita que nenhuma categoria prepara no Brasil (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Atualmente, a principal categoria de base que os pilotos encontram ao sair do kart no país é a F3 Brasil. No entanto, com pouca competitividade e grids enxutos, ela acaba não sendo a melhor opção para aqueles que procuram seguir uma carreira no exterior.
 


Para Massa, a categoria realmente deixa a desejar. “No Brasil, nada prepara um piloto no momento. Sem dúvidas, a CBA [Confederação Brasileira de Automobilismo] poderia se envolver mais, e o Brasil teria que tentar ajudar criando categorias e ajudando mais os pilotos”, opinou.

 


Desde que Felipe anunciou sua aposentadoria, muito se questionou sobre quem seria seu sucessor na F1. Sebastian Vettel chegou a apontar o nome de Gialuca Petecof, mas para o brasileiro, existe outro piloto com talento começando a aparecer.

 


“Acho que o [Sergio] Sette Câmara é o que está mais próximo por estar na última categoria [F2]. Lógico, apenas o resultado que ele tiver vai garantir a chance dele chegar na F1. Talvez o próximo nome, se eu tiver que apontar, é o Caio Collet”, encerrou. Collet, contemporâneo de Petecof no kartismo, tem a carreira agenciada pela empresa de Nicolas Todt, que segue como gestor da carreira de Massa mesmo após sua saída da F1.

EM BUSCA DO SONHO DA F1

PIETRO FITTIPALDI REVELA QUE NEGOCIOU COM A SAUBER PARA 2018


Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários

Posts Relacionados