shadow


A edição de 2018 das 500 Milhas de Kart foi marcada por uma série de mudanças climáticas, alguns acidentes e uma atuação impressionante do kart #120 da equipe AM Com. Com Enzo Prando – vice-campeão da Seletiva de Kart Petrobras 2018 – no volante na reta final, o time confirmou a grande forma e venceu a prova de 647 voltas deste domingo (3).


 


A equipe vencedora foi composta por Alexandre Grott, André Nicastro – que teve atuação brilhante e botou o #120 na frente diversas vezes durante o dia -, Prando, Guilherme Voltolini, Jorge Garcia, Marcelo Furtado, Marciano Cardoso, Pedro Cardoso e Rafael Prada.


 

A corrida foi muito dura para a Scuderia Stratum GP. O kart #5 teve problemas desde o início da corrida e foi recolhido ainda na primeira metade, voltando na segunda, mas abandonando de vez com falhas mecânicas.


Marcio Simão durante a reta final das 500 Milhas (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Assim, o time apostou todas as fichas no #44, mas enfrentou um calvário para conseguir levar o kart para o final. Problemas na embreagem, no motor, no eixo de direção e um acidente em que André Mansano virou passageiro custou mais de hora de reparos para a equipe, que, ainda assim, terminou em 46º, a 13ª posição entre os pilotos da classe Thunder Light.


 


A Scuderia Stratum GP teve, pelo menos, três momentos de grande destaque durante a prova. O primeiro foi justamente com Mansano, que chegou a deixar o time rondando o top-30 na hora inicial. 


 

Depois, já diante dos problemas, Gustavo Ariel voou debaixo de chuva e fez mais de 40 ultrapassagens. Por fim, Sidney Rogério basicamente passou a hora final inteira perseguindo o líder Prando, com ritmo dos melhores do grid, mas recolheu com uma volta para o fim com o banco quebrado.


O #120 da AM Com venceu as 500 Milhas de Kart (Foto: Fabrício Vasconcelos)


“Foi sensacional. É legal você fazer uma prova junto com os profissionais. Estava virando muito mais baixo que todo mundo, todo mundo com pneu de chuva. Passava kart por fora, kart por dentro, teve uma hora que passei por dois karts. Então, é legal colocar suas habilidades a prova. É muito legal a experiência, na chuva e no seco, sensacional, sem palavras”, disse Ariel.


 

A equipe de Rubens Barrichello, que venceu a edição de 2017, teve mais um grande resultado. Com o kart #71, a Barrichello Nutriex buscou o segundo lugar, conquistando o pódio com João Cunha na frente do #301 da America Net KTF, que cruzou a linha final com José Ricardo de Oliveira.

O restante do top-7 ainda teve o #77 da Bifarma, que chegou a liderar uma parte da corrida antes da chuva aparecer, o #30 da Piquet, o #72 da Barrichello, que ainda sofreu com falta de combustível no final que custou um top-3 e o #888 da G-Drive, que cruzou a linha final com o mexicano Daniel Suárez, da Nascar.

Os campeões da Thunder Light repetiram a dose de 2017 com o kart #11. A CPKA cruzou a linha final com Fred Capraro ainda em oitavo na geral. O #10 da Medina, outro que liderou boa parte da prova, terminou em nono com Giuliano Raucci, enquanto Dennis Navarro veio atrás com a Shell Fittipaldi. O resto do pódio da Thunder Light teve o #63 da SOS Proteção com Pietro Rimbano e Olin Galli e o #12 também da CPKA.


Fonte Oficial: Grande Prêmio

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do KartSP.

Comentários

Posts Relacionados